Endereços

 




21/06/2017 - SOCIOAMBIENTAL em conjunto com o Insituto MAPA desenvolvem pesquisa de opinião pública na comunidade do Ratones e Vargem Pequena


A SOCIOAMBIENTAL CONSULTORES ASSOCIADOS contratou o INSTITUTO MAPA, uma empresa de referência que atua há mais de 20 anos no setor de pesquisa estatística, para o desenvolvimento da pesquisa de opinião pública na comunidade do Ratones e Vargem Pequena. O objetivo do trabalho é delinear opiniões, sentimentos e a percepção de moradores sobre o bairro e a possível implantação de projeto de aeródromo para aeronaves de pequeno porte na localidade. Esta pesquisa de opinião é um requisito da FATMA para compor o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do empreendimento, que deve ser concluído até o final do mês de julho.

As entrevistas na comunidade foram aplicadas entre os dias 03 de junho e 17 de junho de 2017. Os(as) entrevistados(as) foram selecionados (as) aleatoriamente pelos (as) agentes de pesquisa e responderam a um breve questionário com perguntas objetivas e discursivas.

Tendo em vista a disponibilização de informação qualificada e atualizada a respeito dos estudos que compõe o EIA/RIMA do Aeródromo, a SOCIOAMBIENTAL disponibiliza no link abaixo o modelo do questionário utilizado na pesquisa de opinião. Os resultados da pesquisa, a serem entregues pelo INSTITUTO MAPA em julho, integrarão EIA/RIMA e serão igualmente disponibilizados para a comunidade como documento de domínio público.

Clique para ter acesso ao modelo do questionário utilizado na pesquisa de opinião




Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando
este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental









22/05/2017 - Projeto de Monitoramento de Cetáceos da Bacia de Santos (PMC-BS) - Campanha de Telemetria


A campanha de Telemetria é um subprograma de Projeto de Monitoramento de Cetáceos da Bacia de Santos (PMC-BS). Seu objetivo é realizar a implantação de transmissores satelitais e DTAGs para obtenção de dados de deslocamento, padrões comportamentais e de uso de habitat das espécies de cetáceos, assim como coleta de biópsias (pele e gordura) para análises de genética, biomarcadores e contaminantes.

As rotas das campanhas abrangem toda a Bacia de Santos (de Florianópolis/SC a Arraial do Cabo/RJ), contemplando tanto águas rasas (até 200 metros) como águas profundas (até 2.000 metros). A implantação dos transmissores considera alguns critérios importantes na decisão pela tentativa ou não de marcação, avaliando condições meteorológicas, espécie, tamanho do indivíduo, presença de filhote e comportamento do animal.

Os DTAGs são transmissores não invasivos. Eles são acoplados ao animal por quatro ventosas de silicone usando uma vara de fibra de carbono ou arma de ar comprimido. Os DTAGs coletam informações de direção magnética (via magnetômetro), inclinação em todos os eixos (via acelerômetros) e sons (via hidrofones) dos animais. Os dados dependem da recuperação do transmissor, que é feita por meio de um sistema de radiotelemetria VHF para ser resgatado após se desprender do animal.

As biópsias são coletadas utilizando balestras e dardos com ponteiras especialmente desenvolvidos para amostragem em cetáceos. O material coletado é armazenado em nitrogênio líquido para posterior análise de genética, contaminantes e biomarcadores. O PMC-BS é um condicionante do licenciamento ambiental, conduzido pelo IBAMA, para a produção e escoamento de petróleo e gás natural pela Petrobras no Polo Pré-sal da Bacia de Santos.

Confira abaixo o vídeo com algumas imagens da Campanha de Telemetria




Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando
este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental








02/05/2017 - SOCIOAMBIENTAL foi destaque em estudo de caso sobre o uso da plataforma Gis Cloud em monitoramento e fiscalização ambiental


A Socioambiental foi destaque no estudo de caso sobre o uso da plataforma Gis Cloud em monitoramento e fiscalização ambiental. O artigo aborda os desafios enfrentados na Fiscalização Ambiental e Sócio Patrimonial (FASP) das Usinas Hidrelétricas de Itá e Machadinho, e como a plataforma Gis Cloud pode auxiliar a tornar mais eficiente o processo de coleta de dados em campo.

No link abaixo você pode acessar o artigo

Using GIS Cloud for Efficient Inspection of Hydroelectric Reservoirs in Brazil





Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando
este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental










12/04/2017 - SOCIOAMBIENTAL divulga respostas aos questionamentos de comunidades do Norte da Ilha sobre projeto de Aeródromo em Ratones


A SOCIOAMBIENTAL Consultores Associados, conforme Nota de Esclarecimento publicada em seu site no dia 08/03/2017

("Qualificando o debate sobre o Aeródromo Costa Esmeralda em Ratones, Florianópolis/SC")

, foi contratada pelo empreendedor do projeto de Aeródromo em Ratones para ser responsável pelo desenvolvimento dos Estudos de Impacto Ambiental (EIA) e respectivo Relatório de Impacto Ambiental (RIMA).

Como um dos resultados das reuniões públicas na comunidade de Ratones e com representantes locais que a Socioambiental vem promovendo, o Conselho de Desenvolvimento do Norte da Ilha (CODENI) encaminhou ao empreendedor do projeto um questionário com 14 questões, elaborado em conjunto com o Conselho Comunitário de Ratones (CCR).

O empreendedor solicitou à Socioambiental que efetuasse as respostas em virtude do caráter técnico dos questionamentos. As respostas foram encaminhadas esta semana ao CODENI e ao CCR e estão disponibilizadas a todos os interessados mediante acesso no endereço abaixo.

Seguimos, dessa forma, com o intuito de qualificar o debate público sobre o projeto, mesmo antes de concluídos os estudos do EIA/RIMA, para que o debate possa se dar devidamente embasado com questionamentos e informações pertinentes, como entendemos ser o correto em processos de licenciamento ambiental.


>>> Clique para ter acesso às respostas elaboradas pela Socioambiental <<<



Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando
este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental










31/03/2017 - Socioambiental promove a utilização de DRONES em projeto de Fiscalização Ambiental e Sociopatrimonial (FASP)


Visando otimizar os trabalhos de campo relativos a Fiscalização Ambiental e Socioapatrimonial (FASP) das Usinas Hidrelétricas de Itá e Machadinho, a Socioambiental vem fazendo uso de DRONES. Este equipamento permite maior agilidade e precisão no levantamento de informações referentes a FASP, principalmente naquelas áreas de difícil acesso.

O Drone se junta a outras tecnologias que a Socioambiental incorporou a FASP, como o uso de Tablets para coleta de dados georeferenciados em tempo real, facilitando as consultas sobre os dados coletados e reduzindo o tempo de processamento pós-campanha.

A FASP atende a demanda criada pela ANNEL em 2001 (ofício 202/2001), que determinou a execução de um plano de gestão sociopatrimonial dos reservatórios de usinas hidrelétricas, com a preocupação central de implementar um efetivo domínio sobre o grande patrimônio imobiliário vinculado às concessões. Uma das principais solicitações da ANEEL foi coibir os usos inadequados e ocupações clandestinas nas áreas de propriedade das concessionárias.

No vídeo abaixo você pode acompanhar as filmagens
produzidas com a utilização de Drones para o projeto FASP:





Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando
este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental









08/03/2017 - Qualificando o debate sobre o Aeródromo Costa Esmeralda em Ratones, Florianópolis/SC



Visando a continuidade da qualificação do debate em torno do desenvolvimento dos estudos para o processo de licenciamento ambiental do projeto Aeródromo Costa Esmeralda na localidade de Ratones em Florianópolis/SC, a empresa Socioambiental Consultores Associados apresenta alguns pontos que considera relevantes:

A Socioambiental foi contratada pelo Empreendimento Aeronáutico Costa Esmeralda Ltda. para a realização do Estudo de Impacto Ambiental e respectivo Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) de um aeródromo para aeronaves de pequeno porte na Localidade de Ratones, visando submeter o projeto à análise em processo de Licenciamento Ambiental pelo órgão responsável.

Segundo a normativa estadual, Resolução CONSEMA nº 13/2012, este tipo de projeto deve se submeter a análise através de EIA/RIMA para devido processo de licenciamento pelo órgão responsável, que em Santa Catarina é a Fundação Estadual do Meio Ambiente - FATMA, entidade responsável pela aprovação ou não do projeto.

Em setembro de 2016 a FATMA definiu o Termo de Referência (TR) para a realização do EIA/RIMA, mediante prévia consulta ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio, órgão responsável pela gestão da Estação Ecológica de Carijós, Unidade de Conservação vizinha à localização prevista para o empreendimento. Em linhas gerais, o TR determina os estudos necessários a serem realizados pela consultoria ambiental para que o órgão licenciador proceda com a análise ambiental sobre o projeto.

Os estudos contemplados pelo EIA/RIMA encontram-se ainda em fase de desenvolvimento, estimando-se sua conclusão para o mês de abril do presente ano.

Neste momento, de forma inovadora e não habitual no rito de licenciamento ambiental, a Socioambiental vem apresentando o projeto do empreendimento e os primeiros resultados dos estudos ambientais à comunidade local, ao longo de vários encontros realizados em conjunto com as principais instituições civis que representam a comunidade. Nestas ocasiões os conteúdos técnicos já disponíveis foram repassados aos interessados de forma a possibilitar a livre circulação da informação.

Essa abordagem metodológica, a qual denominamos de LEITURA SOCIOAMBIENTAL, busca identificar os anseios e expectativas da comunidade em relação aos desdobramentos de uma possível instalação do projeto. Portanto, visa não apenas a elaboração do diagnóstico socioeconômico, mas principalmente busca qualificar o debate entre todos os envolvidos - empreendedor, órgãos públicos, consultoria e comunidade - em ampla discussão de aspectos ambientais e sociais pertinentes e relevantes.

Por fim, entendemos ser fundamental qualificar o debate entre as partes interessadas com a disponibilização de informações já existentes e a criação de ambiente transparente, mesmo que ainda não se tenham respostas para todas as questões que naturalmente sejam levantadas nesta fase. Como os estudos ainda se encontram em andamento, esse é o momento para questionamentos e o estabelecimento de foco para a conclusão dos mesmos. A SOCIOAMBIENTAL tem ciência de seu papel social de facilitador do processo de licenciamento, através de geração de informações precisas e fidedignas para nutrir tanto o processo formal de licenciamento como o debate público.



Esta figura apresenta os limites da propriedade, bem como a ocupação do empreendimento destacado em amarelo.




Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental









07/12/2016 - Reportagem a respeito do Projeto de Monitoramento de Cetáceos na Bacia de Santos - PMC-BS



Confira a matéria exibida no Jornal Hoje que conta com o Projeto de Monitoramento de Cetáceos na Bacia de Santos - PMC-BS, executado pela SOCIOAMBIENTAL para a PETROBRAS.

Esse projeto é exigido como condicionante do licenciamento ambiental, conduzido pelo IBAMA, para a Etapa 2 da produção e escoamento de petróleo e gás natural no Pólo Pré-sal da Bacia de Santos.

Acesso pelo link:

Reportagem PMC-BS




Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental





Fonte: "Informe Bacia de Santos"
Disponível em: https://issuu.com/uo-bs/docs/4_informe_v5_issu








08/07/2016 - SOCIOAMBIENTAL realiza estudos de biomonitoramento da qualidade do ar com base na análise de cascas de árvores



Junto ao Monitoramento da Biodiversidade da SIX/PETROBRAS, realizado entre 2008 e 2016, a SOCIOAMBIENTAL validou um modelo de biomonitoramento da qualidade do ar embasado na análise de cascas de árvores para a determinação da influência de emissões aéreas na biodiversidade e comunidades do entorno de centros emissores de poluentes.



1ª Etapa: Processo de seleção e marcação de pelo menos 200 árvores com preferência para espécies abundantes na área de estudo.



As cascas de árvores são reconhecidas como eficazes amostradores passivos da poluição atmosférica, em especial para os metais pesados. A poluição de grandes áreas pode ser investigada com a coleta e análise de amostras de cascas, não havendo limitação de temporada, pois a casca está disponível durante todo o ano. A coleta é fácil e a técnica de amostragem não prejudica a vitalidade da árvore, uma vez que apenas a camada superficial da casca da árvore é removida. Uma mesma árvore pode ser amostrada mais de uma vez, possibilitando a repetição das análises em monitoramentos de longo prazo. Dentre outras vantagens, destaca-se o custo e o tempo de realização do experimento.


2ª Etapa: Coleta das amostras utilizando ralador com lâmina de titânio


As cascas atuam como uma pele protetora para a árvore, protegendo, mas, ao mesmo tempo, acumulando aerossóis. Embora algumas espécies tenham cascas com camadas de estrutura simples, outras podem exibir uma complexa estrutura irregular, sendo constituída por camadas de diferentes idades. A acumulação de aerossóis atmosféricos e de partículas em suspensão aérea, ocorre tanto por meio da deposição seca como úmida.



3ª Etapa: Envio das amostras para análise no laboratório.


O estudo conduzido pela SOCIOAMBIENTAL contemplou a realização de um Workshop Técnico, onde o Sr. Élvio Schelle apresentou detalhes da aplicação deste método para estudos de biomonitoramento da qualidade do ar. O especialista desenvolveu a tese de doutoramento Análise Multielemental de Cascas de Árvores com Referência Especial à Mensuração e Mapeamento de Poluição do Ar, defendida em abril de 2004, na Universidade de Sheffield, na Inglaterra.

Prioritariamente, o objetivo do estudo foi da comparação entre metodologias de detecção de metais em cascas de árvores e neste caso obteve-se melhor adequação dos resultados nas técnicas de ICP-OES (Espectrometria de Emissão Ótica com Plasma Indutivamente Acoplado) e CHNS (Análise Elementar por Oxidação Catalítica) em comparação a FRX (Espectrometria de Fluorescência de Raios X). Este fato não desqualifica a técnica de FRX, mas demonstra que em aplicações analíticas semi-quantitativas, standardless ou ainda baseadas em parâmetros fundamentais, os resultados devem ser avaliados com cautela, quando de uma necessidade de maior confiabilidade nos valores obtidos. Para a garantia das análises, controle de qualidade e controle analítico dos resultados deste estudo, a SOCIOAMBIENTAL realizou parceria junto ao Laboratório de Química Analítica Inorgânica (LAQUA) do Instituto Nacional de Tecnologia (INT).



Modelagem da dispersão de particulados em suspensão aérea.



Esta metodologia pode ser aplicada a áreas de mineração, distritos indústrias, termelétricas e centros urbanos de grandes cidades.

Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental







23/06/2016 - SOCIOAMBIENTAL completa oito anos de estudos com PETROBRAS

Em 2016 a SOCIAMBIENTAL completou 8 anos de estudos de Caracterização e Monitoramento da Biodiversidade na área de influência da SIX/PETROBRAS, município de São Mateus do Sul, Estado do Paraná, sobre uma das maiores reservas mundiais de Xisto.

A SIX/PETROBRAS é uma unidade de exploração e industrialização do Xisto (folhelho pirobetuminoso) que opera desde a década de 1970. O Xisto é uma rocha sedimentar com conteúdo de matéria orgânica na forma de querogênio, que por aquecimento (pirólise) pode ser convertido em óleos combustíveis, GLP, gás combustível, nafta, enxofre e insumos para pavimentação, para utilização pelos mais diversos segmentos industriais, tais como: cerâmica, refinaria de petróleo, cimenteira, usinas de açúcar e agricultura. No ramo de fertilizantes, a SIX produz a Água de Xisto, que é um insumo para a formulação de fertilizantes foliares, com eficácia comprovada por extensas pesquisas realizadas pela EMBRAPA e IAPAR através do Projeto Xisto Agrícola.


Jaguarundi - Puma yagouaroundi.
Registro em área em recuperação da SIX, a partir de Armadilha Fotográfica.



Em 2008 a SOCIOAMBIENTAL iniciou as atividades de Monitoramento da Biodiversidade na área da SIX com o intuito de avaliar os processos de recuperação das áreas degradadas pela mineração, bem como identificar eventuais impactos dos processos produtivos de mineração e industrialização do Xisto. A primeira fase do projeto contemplou a predefinição, experimentação e validação de indicadores associados a biodiversidade, incluindo 6 grupos do meio aquático e 8 do meio terrestre, além das avaliações de solos, bioacumulação em peixes e qualidade da água, com a estruturação de um sistema de monitoramento baseado em repetições futuras das avaliações dos indicadores.



Veado-catingueiro - Mazama gouazoubira.
Registro em área recuperação da SIX, a partir de Armadilha Fotográfica.



Os estudos iniciais abrangeram uma área de 12.800 hectares, relativos à área da SIX e sua área de influência (microbacias hidrográficas). A partir de 2010 os esforços foram concentrados para suas áreas internas, contabilizando 1.900 ha.

Ao longo do período de 8 anos de Monitoramento da Biodiversidade outros três experimentos foram conduzidos: dois envolvendo a influência da biodiversidade na melhoria da qualidade de águas de drenagem da mineração após passagem por sistema de Wetlands (filtros plantados construídos); e outro de biomonitoramento passivo da qualidade do ar, com base na análise de cascas de árvores.

Siga nossa página no Facebook e continue acompanhando este e outros Projetos desenvolvidos pela SOCIOAMBIENTAL:

facebook/Socioambiental







16/05/2016 - SOCIOAMBIENTAL participa de Consultas Públicas do PACUERA da UHE São Salvador

Nos dias 22 e 23 de março de 2016, ocorreram nos municípios de Palmeirópolis (TO) e São Salvador do Tocantins (TO) as Consultas Públicas do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial - PACUERA, da Usina Hidrelétrica (UHE) de São Salvador, em atendimento a Resolução Conama nº 302/2002.




A UHE São Salvador é de propriedade da ENGIE Tractebel Energia e possui potência instalada de 243 MW. O reservatório possui área de 99,7 Km² e está localizado nos estados do Tocantins (94,7%) e Goiás (5,02%), mais precisamente entre as UHEs Cana Brava (montante) e Peixe-Angical (jusante), englobando os municípios de Cavalcante e Minaçu em Goiás e Paranã, Palmeirópolis e São Salvador do Tocantins em Tocantins.





O PACUERA foi desenvolvido pela Socioambiental e apresenta o ordenamento para o uso racional dos recursos naturais, contemplando não apenas a conservação dos ambientes, mas também a possibilidade de uso dessas áreas pela população do entorno, respeitando sempre a vocação da área.




As Consultas Públicas ocorreram nas Câmaras Municipais de Palmeirópolis e São Salvador do Tocantins, sendo coordenadas pelo IBAMA do Estado do Tocantins. As mesmas contaram com grande participação da população envolvida (faixa de terra de 100 metros no entorno de todo o reservatório), sendo toda ela área de APP (Área de Preservação Permanente). Após a apresentação do PACUERA pela Socioambiental, iniciou-se a fase de esclarecimentos da plateia.




O documento aguarda aprovação final do IBAMA, quando, a partir de então, o PACUERA será instituído.




















20/10/2015 - UTE PAMPA SUL - Monitoramento de Águas Superficiais e Subterrâneas

Em setembro de 2015 a Socioambiental iniciou as atividades referentes aos Subprogramas de Monitoramento das Águas Superficiais e Subterrâneas da UTE PAMPA SUL - Usina Termelétrica Miroel Wolowski, de propriedade da Tractebel Energia, no município de Candiota/RS.

Esse empreendimento constitui-se de uma usina termelétrica movida a carvão mineral, com capacidade bruta instalada de geração de 340 MW (1 máquina de 340 MW), tendo seu cronograma proposto de implantação de 04 (quatro) anos.

O contrato tem duração de 46 meses, estendendo-se até junho de 2019.













05/03/2015 - SAPIENS PARQUE adota avançada tecnologia para reúso de água

Em breve entrará em operação a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Sapiens Parque com capacidade para 100 m³/dia, utilizando avançada tecnologia que permitirá o reúso da água para fins não potáveis.

O projeto foi desenvolvido pela SOCIOAMBIENTAL e atende aos princípios definidos já no EIA/RIMA do empreendimento, visando tornar-se referência no consumo sustentável da água através do reúso de esgoto tratado no interior das edificações.

Para isso foi construída uma ETE própria, não sendo enviado o esgoto tratado para a ETE da Casan que se encontra nas proximidades. A ETE é composta por reator anaeróbio tipo UASB, lodos ativados, filtração em areia, desinfecção por ultra-violeta e microfiltração submersa.


Tanque de Membranas Submersas



Com o reúso do esgoto tratado se evitará o consumo de até 43 m3/dia de água potável. Diante da atual crise hídrica, a tecnologia de reúso de esgoto sanitário através de membranas de filtração vem se mostrando bastante viável e segura, ofertando água de qualidade para usos onde a água potável é desnecessária.


Vista da Estufa para reúso com irrigação








21/07/2014 - PACUERA da Usina Hidrelétrica de São Salvador

A elaboração do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno de Reservatório Artificial - PACUERA, tornou-se obrigatória com a publicação da Resolução CONAMA nº 302/2002, instrumento legal que estabeleceu parâmetros, definições e limites para as áreas de preservação permanente de reservatórios artificiais.

Em 2008 a Socioambiental elaborou o PACUERA para a Usina Hidrelétrica de São Salvador - UHSA, definindo para o reservatório seu zoneamento, as normas e os percentuais de uso para a Área de Preservação Permanente - APP do reservatório.



Com o advento do novo código Florestal em 2012, o IBAMA solicitou a atualização do documento, concluído pela Socioambiental em maio de 2014 sendo reavaliado seu zoneamento e código de usos.




A Usina Hidrelétrica de São Salvador (UHSA) foi implantada no rio Tocantins abarcando dois estados em uma extensão de 80 km e com capacidade instalada de 243 MW. Sua construção levou aproximadamente 32 meses, entrando em operação em 2009.



O barramento está localizado entre os municípios de Paranã e São Salvador do Tocantins e o reservatório abrange uma área de 99,7 km² dos municípios São Salvador do Tocantins, Palmeirópolis e Paranã, em Tocantins, e Minaçu e Cavalcante, em Goiás.

Conforme mencionado, a atualização do PACUERA da UHSA encontra-se finalizada, restando ainda reunião com IBAMA para discussão da nova versão atualizada. Após a análise do IBAMA serão realizadas as Audiências Públicas para discutir com a população o zoneamento e as normativas estabelecidas no Plano.







07/04/2014 - Projeto de readequação do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) da área urbana do município de Itá/SC

A SOCIOAMBIENTAL foi contratada pela CASAN para elaborar o projeto de readequação do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) da área urbana do município de Itá - localizado no meio oeste catarinense, que conta com uma população total de 6.426 habitantes (2010), sendo que 4.057 habitantes (63,1%) vivem na zona urbana do município.

Por conta do enchimento do reservatório da UHE Itá a antiga cidade ficou totalmente submersa, restando hoje apenas as ruínas da torre da antiga igreja, um importante ponto turístico da cidade.



Em 1996 foi inaugurada a nova cidade de Itá, que desde então contou com um Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) que é do tipo separador absoluto (esgoto sanitário separado das águas pluviais), convencional (não condominial), com o tratamento do esgoto realizado de forma descentralizada através de Fossas Sépticas individuais e de alguns pequenos Filtros Anaeróbios implantadas em cada bacia sanitária.



Apesar de ser considerada uma boa solução, tendo em vista que a localização no topo das elevações resulta em grande número de bacias sanitárias e por conseguinte na necessidade de várias Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), a realidade vem mostrando vários problemas, dentre os quais a falta de vazão dos corpos receptores.



O objetivo da contratação da SOCIOAMBIENTAL foi o de transformar o sistema descentralizado em centralizado, interligando todas as bacias sanitárias através de pequenas Estações Elevatórias de Esgoto (EEE), sendo o esgoto encaminhado para tratamento único em área já adquirida pela Prefeitura Municipal de Itá, local onde já existe uma ETE com capacidade para o tratamento de uma população de aproximadamente 1.000 pessoas.










18/02/2014 - Publicação dos Planos de Manejo das Florestas Nacionais Chapecó e Passo Fundo

No final de 2013 os Planos de Manejo das FLONAs Chapecó e Passo Fundo, elaborados pela Socioambiental, foram aprovados e disponibilizados para download no site do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio. Os trabalhos, iniciados em 2008, foram realizados sob supervisão do próprio ICMBio e podem ser acessados nos links abaixo.

FLONA Chapecó.

FLONA Passo Fundo.

Com 1.604 hectares, a FLONA Chapecó está localizada no oeste de Santa Catarina nos municípios de Guatambu (sede da FLONA) e Chapecó. O Plano foi elaborado como parte dos recursos da compensação ambiental do licenciamento da Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó (Foz do Chapecó Energia S.A.).



A FLONA Passo Fundo, por sua vez, possui área de 1.333 hectares e está localizada na região norte do Rio Grande do Sul - município de Mato Castelhano. A elaboração do Plano contou com recursos da compensação ambiental do licenciamento da Linha de Transmissão Campos Novos - Santa Marta (ETAU - Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A.).



Ambas as FLONAS possuem atividades de educação ambiental e de pesquisa básica e aplicada, além de servirem como espaços de conservação da biodiversidade da Floresta Ombrófila Mista.
A região da FLONA Chapecó, em conjunto com outras áreas do oeste catarinense, está listada como área prioritária para a conservação. O caso da FLONA Passo Fundo adquire outra característica, pois, em razão da escassez de áreas protegidas e de ambientes naturais em seu entorno (a região é ocupada por atividades agrícolas e pecuárias), possui significância ainda maior na manutenção da biodiversidade da região.



SAIBA MAIS:

A Floresta Nacional (FLONA), conforme definido pela Lei do SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (Lei nº 9.985/2000) - integra uma das sete categorias do grupo de Unidades de Conservação (UC) de uso sustentável, cujo objetivo básico é o uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e a realização de pesquisa científica, com ênfase em métodos para exploração sustentável de florestas nativas.

O Plano de Manejo é definido como um documento técnico que, com fundamento nos objetivos gerais de uma UC, estabelece o seu zoneamento e as normas que definirão o uso da área e o manejo dos recursos naturais. Deve abranger, além da área da UC, a sua Zona de Amortecimento (ZA) e os Corredores Ecológicos (CE) a ela associados.






13/10/2011 - Parque de Inovação da Serra Catarinense (PISC)

No último dia 21 de setembro, na sede da ACIL (Lages-SC), aconteceu a Audiência Pública de apresentação do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto ao Meio Ambiente (EIA/RIMA) do Parque de Inovação da Serra Catarinense (PISC). O evento foi coordenado pela Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA) e contou com a participação da população local, lideranças políticas e técnicos da Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (CODESC), da Fundação Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI) e da Socioambiental Consultores Associados, responsável pelo desenvolvimento do EIA/RIMA. A Audiência Pública objetivou o levantamento de novos subsídios para que a FATMA possa encerrar a análise que vem realizando sobre o EIA/RIMA, concluindo se a área possui ou não viabilidade para o que se pretende empreender.



O PISC foi criado pela CODESC para aumentar a competitividade empresarial através de uma rede de Parques Tecnológicos e Escritórios de Inovação, que devem ser implementados nas diversas regiões do estado de Santa Catarina. Assim, o PISC se organiza como um Parque dotado de infraestrutura e serviços destinados à instalação de empresas âncora e de suas fornecedoras, bem como de empresas intensivas em conhecimento, na oferta de serviços e novos produtos tecnológicos e processos da cadeia de veículos automotores. Localizado em uma área de 786 hectares na localidade de Índios, no município de Lages, o PISC está projetado para ocupar as áreas livres de restrições ambientais legais e preservar os remanescentes naturais que lá se encontram. Sua implantação está prevista para acontecer em 5 fases ao longo de 30 anos. Quando em plena operação estima-se que o PISC possa gerar cerca de 25.000 empregos diretos e contar com uma área construída de aproximadamente 1.100.000m².



Os estudos para a solicitação da Licença Ambiental Prévia (LAP) do PISC iniciaram em 2010, quando foi realizada uma Análise Estratégica da Viabilidade Ambiental do empreendimento (AEVA). Os resultados destes estudos iniciais orientaram a proposta de ocupação da área, enquanto o termo de referência elaborado pela Fatma definiu o escopo do EIA/RIMA elaborado pela Socioambiental. Sendo um empreendimento onde as empresas que se instalarão ainda não se encontram totalmente definidas, a avaliação dos impactos ambientais foi conduzida como um estudo de capacidade de suporte da área. Ou seja, foram traçadas projeções dos limites máximos de intervenção na área, de modo que as suas características ambientais fossem mantidas. Foram analisados 33 principais impactos nos meios físico, biótico e socioeconômico.



Nova rodada de reuniões está prevista para o período de 17 a 21 de outubro, quando serão tratadas questões como programa, projetos e ações para atingir os objetivos e metas traçados. A conclusão dos trabalhos está prevista para o início de dezembro de 2011.

Maior detalhamento dos estudos realizados para este empreendimento pode ser obtido no RIMA, que está disponível para consulta no site da FATMA.






28/09/2011 - Planos Municipais de Saneamento Básico

Entre os dias 12 e 16 de setembro deste ano a equipe da Socioambiental esteve reunida com os integrantes dos Grupos Executivos de acompanhamento dos Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB) dos municípios de Alpestre, Barra do Rio Azul, Erval Grande, Faxinalzinho, Itatiba do Sul, Nonoai e Rio dos Índios, todos eles no estado do Rio Grande do Sul.

Município de Alpestre


Os PMSB foram contratados pela Foz do Chapecó Energia S.A. (FCE) e fazem parte de um Termo de Cooperação Técnica entre a FCE, a Companhia Rio Grandense de Saneamento - CORSAN e os municípios citados.

Município de Barra do Rio Azul


As reuniões tiveram por objetivo discutir com os Grupos Executivos de cada município questões relativas a prognóstico, objetivos e metas. A fase de apresentação e discussão do Diagnóstico do Saneamento nesses municípios ocorreu em junho deste ano.

Município de Erval Grande


Os PMSB são instrumentos norteadores dos projetos e ações de saneamento em municípios, previstos na Política Nacional de Saneamento Básico (Lei 11.445/07). Os Planos abordam os setores de água, esgoto, drenagem urbana e resíduos sólidos, tendo sempre como objetivo a universalização do acesso a serviços de saneamento adequados.

Município de Faxinalzinho


Nova rodada de reuniões está prevista para o período de 17 a 21 de outubro, quando serão tratadas questões como programa, projetos e ações para atingir os objetivos e metas traçados. A conclusão dos trabalhos está prevista para o início de dezembro de 2011.

Município de Itatiba do Sul


Município de Nonoai


Município de Rio dos Índios





09/02/2011 - PACUERA da PCH Arvoredo

A apresentação do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial (PACUERA) da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Arvoredo foi realizada através de audiência pública ocorrida no dia 13 de Dezembro de 2010, no Centro Comunitário do município de Arvoredo/SC.


A finalidade da audiência foi apresentar e discutir com os aproximadamente 70 participantes os resultados do zoneamento e as normas gerais de manejo da Área de Preservação Permanente (APP) do entorno do Reservatório da PCH Arvoredo. O evento foi coordenado pela Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina (FATMA) e contou com a participação da população local, lideranças políticas e técnicos da SPE Arvoredo e da Socioambiental Consultores Associados.


O PACUERA tem como objetivo a conservação da paisagem natural e dos recursos hídricos conciliados aos benefícios sociais e econômicos oportunizados pela nova realidade decorrente da implantação do empreendimento. Tendo como área focal de estudos a APP do entorno do Reservatório, foi elaborado a partir de reuniões técnicas com as lideranças locais, visitas a campo e da integração de programas e planos co-localizados.


A partir de então, a consolidação do Diagnóstico Socioambiental subsidiou a análise estratégica de Unidades Ambientais ao longo do Reservatório, as quais foram enquadradas em zonas baseando-se em sua vocação para conservação ou uso direto. Foram estabelecidas normas e ações de manejo pautadas na legislação ambiental vigente para as 12 zonas na faixa de APP (em terra) e outras 3 no espelho d'água do Lago.

O documento final encontra-se disponível para consulta no site da FATMA.







23/11/2010 - Píer Turístico de Porto Belo

Encontram-se bastante adiantadas as obras do Píer Turístico de Porto Belo, empreendimento este onde a Socioambiental desenvolveu os Estudos Ambientais e foi responsável pelo processo de Licenciamento junto a FATMA.

O projeto proposto pela Prefeitura Municipal de Porto Belo trata da reestruturação do trapiche central localizado na Praça dos Pescadores com construção de infra-estrutura receptiva no entorno para receber com melhor qualidade e capacidade os turistas dos navios transatlânticos que aportam no município.


Ao permitir que o visitante desembarque no centro de Porto Belo, o município prioriza a valorização dos aspectos culturais da comunidade, que apresenta importante componente da cultura açoriana, assim como do patrimônio natural, representado pela presença de praias, mata atlântica de encosta, cursos d'água, dentre outros.


O objetivo do empreendimento é oferecer instalações de qualidade, que ordenem a demanda turística da localidade, alimentando a cadeia produtiva da atividade turística com ações estratégicas de comercialização e venda do produto turístico de Porto Belo.

O empreendimento foi bastante discutido com a comunidade local, culminando na realização de uma Audiência Pública em janeiro de 2009 cujo objetivo foi o esclarecimento e debate sobre a obra.


A obra conta com investimentos da ordem de R$1,2 milhão, dos quais 50% são arcados pelo Ministério do Turismo e 50% pela Prefeitura Municipal de Porto Belo. A obra avançará 180 metros mar adentro, onde estão sendo cravadas 200 estacas de concreto de 20 metros que sustentarão o píer.





03/09/2010 - Plano de Manejo da Floresta Nacional de Chapecó

A Socioambiental vem desenvolvendo o Plano de Manejo da Floresta Nacional de Chapecó, no âmbito do contrato FCE-0200/2008 estabelecido entre a empresa Foz do Chapecó Energia S.A. e a Socioambiental Consultores Associados Ltda, com parte dos recursos da compensação ambiental do licenciamento da Usina Hidrelétrica de Foz do Chapecó que tem como beneficiário o ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.


Segundo o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) o plano de manejo é um "documento técnico mediante o qual, com fundamento nos objetivos gerais de uma unidade de conservação, se estabelece o seu zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais, inclusive a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão da unidade".


A Floresta Nacional de Chapecó ou FLONA de Chapecó está localizada no oeste catarinense, com sede no município de Guatambu. Sua área engloba 1.606 hectares, divididos em 3 glebas. As FLONAs têm como objetivo básico o uso múltiplo sustentável dos recursos florestais e a pesquisa científica, com ênfase em métodos para exploração sustentável de florestas nativas.


Na atual etapa do projeto, ocorreu nos dias 23 a 27 de agosto a Oficina de Planejamento Estratégico - OPE com representantes do ICMBio, Socioambiental e do Conselho Consultivo da FLONA. Nesta oficina foram discutidos pontos importantes do planejamento da unidade como o zoneamento e critérios para o manejo florestal.





Cartilha mostra como utilizar poços com eficiência e por longo período



Sabendo usar, não vai faltar! Como cuidar bem do seu poço.

Com o objetivo de estimular a conscientização sobre a importância do manejo adequado dos poços tubulares e das águas subterrâneas, a SOCIOAMBIENTAL desenvolveu uma Cartilha que narra, através de uma história em quadrinhos, os problemas enfrentados por um agricultor que explorou seu poço sem a devida orientação de um técnico especializado no assunto.

Espera-se que a Cartilha sirva para alertar que o manejo de um poço deve seguir critérios técnicos de localização e utilização. Somente com a tomada de algumas medidas a água existente poderá ser mantida com qualidade e quantidade.

A confecção da Cartilha foi uma iniciativa do Consórcio Machadinho, que deverá distribuir a mesma aos moradores dos municípios do entorno da UHE Machadinho.

A seguir reproduzimos os parágrafos introdutórios da Cartilha:

"A água de boa parte dos rios e fontes da nossa região está comprometida, em função de algum tipo de contaminação. Por isso, os poços se tornaram uma boa alternativa para obter água de qualidade. Entretanto, pouco se conhece sobre o bom funcionamento de um poço, e ainda existem muitas crenças sobre o assunto. Ao necessitar de mais água para suas atividades produtivas, o agricultor acaba, em muitos casos, tomando decisões que podem comprometer o seu abastecimento de água atual e futuro. Quando o assunto é poço, o erro mais comum e explorá-lo além da sua capacidade, utilizando bombas mais potentes do que as recomendadas ou retirando água por períodos de tempo muito longos."




22/04/08 - Parque Estadual Fritz Plaumann já recebeu mais de 2.000 visitantes

Segundo informações dos relatórios mensais de visitação do Parque, elaborados pela ECOPEF (Equipe Co-gestora do Parque Estadual Fritz Plaumann) para a FATMA (Fundação do Meio Ambiente), mais de 2.000 visitantes já conheceram o Centro de Visitantes e o Sistema de Trilhas Interpretativas implantados sob a coordenação da Socioambiental.




De acordo com os relatórios, as estruturas e os trabalhos de recepção, condução de visitantes e interpretação ambiental, realizados pelos monitores da ECOPEF, são os aspectos positivos mais destacados durante as visitas.




Diversos cursos de capacitação organizados pela Socioambiental dentro do Plano de Incubação da Gestão do Parque já foram realizados para os membros da ECOPEF, instituição responsável pela administração e operação das atividades de visitação e educação ambiental na Unidade de Conservação.






Com estas atividades bem encaminhadas, o foco de supervisão da Socioambiental na capacitação continuada da ECOPEF está voltado agora para a elaboração de projetos e captação de recursos para a sustentabilidade futura do Parque, bem como para o processo de integração com as comunidades rurais do seu entorno.






03/04/08 - Treinamento e Capacitação em Gestão de Segurança

Entre os dias 18 e 20 de março a Socioambiental realizou um Treinamento e Capacitação em Gestão da Segurança, promovido pela equipe da Kanaloa Canoagem Havaiana. O treinamento foi realizado com a equipe responsável pelo monitoramento da qualidade de água e foi dividido em duas etapas:

1. Teórica, realizada no Hotel Paraíso, em Piratuba
2. Prática, realizadas nas piscinas do balneário de Piratuba e no lago de Machadinho.

O objetivo deste treinamento foi apresentar à equipe o uso eficaz de ferramentas de gestão da segurança, de controle e planejamento, assim como a conscientização da necessidade e comprometimento com a melhora contínua no que tange ao assunto segurança.

Durante o treinamento foram apresentadas ferramentas de gestão da segurança como: formulários de preleção; aplicação de fichas de anaminésia; PAE – preparação a atendimentos de emergência; registros de incidentes, acidentes e não-conformidades; check list de equipamentos de segurança embasado em requisitos legais e outros requisitos; e protocolos de segurança para atividades embarcadas.

Nas piscinas do Balneário de Piratuba foram demonstradas e aplicadas as seguintes atividades:

a. Conforto e aquaticidade mínima – exercícios onde os participantes foram convidados a entrar na água, profundidade acima da altura da cabeça, portando coletes-flutuadores devidamente ajustados ao corpo, visando checar o conforto e positividade da flutuação. Após este exercício, foram realizadas práticas de aquaticidade mínima, ou seja, deslocar-se 50 metros na água com auxílio dos coletes-flutuadores, seguido de uma imersão (submergir a cabeça na água);

b. Técnicas efetivas de resgate – exercícios de auto-resgate e resgate assistido visando deixar claro na prática procedimentos, uso de ferramentas de resgate (cabo resgate ou flutuador), seqüência efetiva de resgate e hierarquização de prioridades no resgate.

Finalizando o treinamento, foram realizados no reservatório da UHE Machadinho os testes de conforto e aquaticidade mínima, e simuladas técnicas efetivas de resgate e aplicação do PAE (simulação em campo de atendimento a uma emergência, utilizando-se as ferramentas e capacidade de resposta a disposição da equipe, como: telefone via satélite, contatos e recursos, base em terra, etc).

Concluída a capacitação, ficaram definidas algumas mudanças no cotidiano das equipes de campo e a elaboração de um PAE (preparação a atendimento de emergencia). Em breve será realizada atividade idêntica com as equipes responsáveis pelos trabalhos de Fauna e Flora.




04/03/08 - Sistema de Esgoto Sanitário de Piratuba

Em dezembro de 2007 a Prefeitura Municipal de Piratuba/SC contratou a Socioambiental para o desenvolvimento do Projeto Executivo do Sistema de Esgoto Sanitário do município, projeto este que atenderá numa primeira etapa a região conhecida como Balneário.

O projeto compreenderá a Rede Coletora de Esgoto, uma Estação Elevatória, uma Estação de Tratamento para 10 L/s e a Disposição Final. A população beneficiada será de aproximadamente 5.000 habitantes.

Piratuba é o principal pólo turístico do Oeste Catarinense, possuindo uma rede hoteleira qualificada com mais de dois mil leitos (11 hotéis, 4 pousadas e 1 camping) e um parque termal amplo e moderno com águas termais cristalinas e sulfurosas.

As águas termais são o principal atrativo da cidade, e provém da perfuração de um poço pela Petrobrás em 1964. A água é proveniente do Aqüífero Guarani, possui uma temperatura de 38 °C e é extraída de uma profundidade de 674 metros. A região conta ainda com outros atrativos como o lago da Usina Hidrelétrica de Macahadinho (www.machadinho.com.br) e o passeio turístico de trem entre Piratuba e Marcelino Ramos, conduzido por uma locomotiva Belga a vapor, construída em 1906.



20/02/08 - Recuperação e Engordamento da Baía de Canasvieiras

Canasvieiras

Por solicitação dos representantes dos Distritos de Canasvieiras (Sr. Marne Schroeder) e Cachoeira do Bom Jesus (Sr. Alfeu Parro) relativa ao desenvolvimento do Plano Diretor Participativo de Florianópolis, a Socioambiental apresentou no dia 12 de dezembro de 2007 o Projeto de Engordamento da Baía de Canasvieiras, com posterior debate com a comunidade local. O evento contou com a presença do Arquiteto Enio Martins e a Socióloga Tânia Nadir da Luz, representantes do Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF).

O projeto foi desenvolvido em 2001, propondo o alargamento / engordamento da praia em 40 metros. Dos 7,3 km de praia, foi projetado o engordamento de 5,4 km, ficando sem intervenção aproximadamente 1,0 km nas proximidades da Lagoa das Gaivotas. Haveria ainda a fixação da barra do Rio do Braz e também da Lagoa das Gaivotas.

Cnasvieiras

Clique na imagem para ampliar

Canasvieiras

Clique na imagem para ampliar

Além de propiciar uma maior área de praia para os banhistas, o projeto prevê uma valorização ambiental da orla marítima através de espaços de lazer com transição harmônica entre a área urbana e o mar, cuja proposta conceitual foi desenvolvida pelo Arquiteto Paisagista José Tabacow.

Desenhos

Clique na imagem para ampliar

Com a execução do projeto, também seria resolvido um grave problema de drenagem da região de Canasvieiras, através da fixação da barra do Rio do Braz. Na ocasião dos debates ficou evidente o interesse da comunidade, não só em se executar o engordamento da praia, mas também na realização de um tratamento urbano da orla e na revitalização da Lagoa das Gaivotas. Foi sugerida ainda a mudança do nome do projeto para "Recuperação e Engordamento da Baía de Canasvieiras".

Dados Técnicos





01/02/08 - Monitoramento Limnológico e da Qualidade da Água da UHE São Salvador

Entre os dias 21 e 23 de janeiro de 2008, a Socioambiental realizou a 6ª campanha do Programa de Monitoramento Limnológico e da Qualidade da Água da UHE São Salvador, no rio Tocantins, entre os Estados do Tocantins e Goiás. A usina deve entrar em operação no final deste ano, estando situada entre as UHE's Cana Brava (montante) e Peixe Angical (jusante).

Coleta

Apesar desta campanha caracterizar o período hidrológico úmido, em campo a situação encontrada foi atípica, pois durante o período de amostragem praticamente não houve ocorrência de chuva. Além disso, o rio Tocantins e os afluentes monitorados (Traíras, Canabrava, Mucambão, Custódio e Mucambinho) apresentavam vazão e nível baixos.

As análises realizadas em campo (sonda multipârametro) apontaram para uma boa qualidade da água, conforme já verificado nas campanhas anteriores.

Coleta

A próxima campanha está prevista para abril de 2008, que é o mês de transição entre o período hidrológico úmido e o seco.



17/01/08 - Reserva Biológica Estadual do Aguaí


A SOCIOAMBIENTAL Consultores Associados LTDA., após seleção em processo de concorrência pública, assinou contrato com o Projeto de Proteção da Mata Atlântica em Santa Catarina (PPMA/SC) em 19/11/07, para a elaboração, nos próximos 8 meses, do Plano de Manejo da Reserva Biológica Estadual do Aguaí (REBIO do Aguaí). Os trabalhos serão acompanhados e supervisionados pelos técnicos das empresas GFA Terra Systems (consultoria alemã) e Detzel Consultores Associados - que prestam consultoria ao PPMA/SC - e pela Fundação do Meio Ambiente (FATMA).

Aguai


A REBIO do Aguaí, criada em julho de 1983, está localizada no sul do Estado de Santa Catarina, abrangendo em seus 7,7 mil hectares áreas dos municípios de Treviso, Siderópolis, Nova Veneza e Morro Grande, confrontando-se a oeste com a borda da Serra Geral, limite do município de Bom Jardim da Serra. O PPMA/SC teve início em janeiro de 2005, conta com recursos de cooperação financeira do governo alemão (Banco KfW – Kreditanstalt Für Wiederaufbau) e contrapartida do Governo do Estado. O programa apóia a FATMA, a Polícia Ambiental e outros parceiros na conservação e proteção da Mata Atlântica em Santa Catarina, tendo como um de seus focos as Unidades de Conservação Estaduais, como é o caso da REBIO do Aguaí.

Aguaí


De 9 a 13 de dezembro/2007, foi realizado o reconhecimento de campo da área e um workshop técnico em Siderópolis. O evento, um dos quatro previstos até o final do projeto, teve como objetivo o planejamento e a estruturação das ações de diagnóstico socioambiental da REBIO e seu entorno. Estiveram presentes profissionais de diversas áreas de atuação, como geografia, botânica, zoologia, sociologia e turismo, além de representantes da FATMA, do PPMA/SC e da Polícia Ambiental.

Aguai



22/12/07 - Parque Estadual Fritz Plaumann

A Equipe Co-gestora do Parque Estadual Fritz Plaumann (ECOPEF), criada e estruturada dentro do Plano de Incubação da Gestão sob a supervisão da Socioambiental, encaminhou o primeiro relatório de visitação à FATMA, referente ao mês de novembro.

Com 13 dias de funcionamento após sua abertura para visitação em 11 de novembro, o Parque recebeu um total de 478 visitantes, dos quais 278 eram de grupos agendados (escolas, universitários...), sendo as quartas-feiras o dia da semana com maior número de agendamentos. O domingo foi o dia de maior fluxo de visitação por parte dos grupos não agendados, totalizando 200 pessoas. A procedência dos visitantes no seu maior percentual é de Concórdia, seguido por Itá.



Durante o período de visitação os locais mais freqüentados do Parque foram o Centro de Visitantes, e as Trilhas do Lajeado Cruzeiro e Marrequinhas. Sendo as Trilhas do Mirante e Canafístula com menor número de visitantes provavelmente devido ao grau de dificuldade e extensão das mesma e às altas temperaturas do período.

O grau de satisfação dos visitantes também foi avaliado e tem rendido grande número de elogios a ECOPEF , atingindo nível de satisfação máximo em 74% das avaliações. Este resultado também reflete o padrão de qualidade das estruturas que o Parque possui no Centro de Visitantes e trilhas interpretativas, resultado do Plano de Implantação supervisionado pela Socioambiental.



A ECOPEF agradece aos visitantes que estiveram no Parque no período que transcorreu e informa os dias de visitação para este final de ano. Do dia 24 de dezembro de 2007 a 01 de janeiro de 2008, o Parque estará em recesso, voltando a trabalhar normalmente no dia 02 de janeiro. Importante ressaltar que o Parque Estadual Fritz Plaumann tem seu funcionamento de quarta à sexta-feira das 14:00h às 17:00 – para grupos agendados e aos finais de semana das 09h00min às 17h00min.

Para maiores informações dispõe-se provisoriamente no telefone (49) 34423878 ramal 235 (Sala cedida pela Secretaria de Desenvolvimento Regional - SDR), celulares particulares, (49) 9978-3198, (49) 8406-6598 e ainda no Convention & Visitors Bureau, (49) 34445546. Também pode ser realizado o agendamento através do endereço eletrônico oscipfritzplaumann@grupos.com.br.



Endereço
 
Intranet